ENTREVISTA COM KELLAN LUTZ NA MEN’S HEALTH DA ESPANHA









Kellan Lutz teve consciência de seu abdômen sarado aos 14 anos, durante uma festa de fim de curso em um parque aquático. “Até então, eu não sabia que um abdômen poderia ser atraente”, diz. No Arizona, onde eu cresci, ninguém andava sem camisa. Quando tirei a camiseta no parque, todas as garotas ficaram impressionadas. Foi uma revelação”.
Os psicólogos chamam isso de resposta positiva. Lutz logo soube o que devia fazer: manter-se atraente.
Mas não foi fácil. “Antes de começar a me desenvolver, eu era magrelo”. Assim, graças ao seu gosto por esportes, este jovem de 25 anos começou com uma grande vantagem, mas teve que se esforçar muito para manter o físico.
Quando estava na escola, Kellan jogava futebol e também tocava trombone na fanfarra (o que diz muito sobre a sua capacidade de ocupar o tempo); durante anos, foi assíduamente à academia, e até planejou ingressar no SEAL (grupo de operações especiais das Forças Armadas dos EUA; Kellan disse que queria ingressar também na Universidade Chapman, e um dos motivos, era porque esta ficava proxima à praia.
Seu esforço se estendeu também para a área gastronômica. “Me preocupava muito com o que comia”, afirma. “Comia muita carne de frango, ovos e muita proteína”.
Lutz se preparou por anos com pouco ou nenhum trabalho, até que em 2007 entrou para o elenco de Generation Kill, uma famosa série da HBO que conta a história de um grupo de fuzileiros navais na Guerra do Golfo.
E o que vários rapazes poderiam fazer para matar o tempo durante 7 meses no meio do deserto africano? Competições entre si. “Interpretar um fuzileiro naval, é algo que requer muita testosterona… E 31 caras interpretando fuzileiros navais, você já pode imaginar”.
Assim, durante as filmagens da série, Kellan Lutz aplicou o que é um grande segredo na malhação: o desafio da competição. “Lembro que sempre estávamos muito nervosos, ou a gente se pegava, ou íamos malhar”. Lutz e seus companheiros de guerra apostavam pra ver quem fazia mais flexões e agachamento com peso em um ginásio improvisado.
Para treinar, Kellan Lutz percebeu que precisa converter seu trabalho em competição. “Adoro jogos. Na minha mala, nunca falta um par de dados”, diz. “Quando vou malhar na academia, lanço os dados, e o número que sai, é a quantidade de flexões que vou fazer, por exemplo. Tudo se volta para a chance de se vencer seus próprios limites”, diz.
Para não perder a forma depois das gravações de A Saga Crepúsculo: Eclipse, Lutz começa todas as suas sessões de malhação com cinco minutos de exercícios cárdio*, e logo em seguida, faz exercícios para o tronco. “Dessa forma, você consegue com que os músculos aproveitem ao máximo os próximos exercícios”, afirma. Traduzindo: trabalhar o tronco, prepara o corpo para a ação. Depois de umas séries de exercícios para o corpo todo, Lutz faz outros mais simples antes de outra série de exercícios mais intensos.
Quando Kellan fica muito cansado para a execução correta dos exercícios, seu treinador o obriga a parar (ainda que Lutz queira continuar). É muito importante fazer as coisas bem; senão, pode ser arriscado e sofrer lesões.
As sessões de exercícios não terminam quando Lutz sai da academia. Ainda que seja impossível ser fiel a um plano de exercícios, é difícil ficar parado quando a atividade física passa a fazer parte da vida da pessoa; por isso Lutz pratica natação e sai pra fazer caminhadas com a sua cachorra Kola (mestiça de Husky e Pastor Alemão).
E a dieta? Antes, a comida era um problema; Lutz nem sempre teve bons hábitos alimentares. Seus pais se divorciaram, e sua mãe teve que criar oito filhos sozinha. “Com uma família tão grande e não muito dinheiro, a gente comia tudo o que podia”, lembra. Anos mais tarde, podia zombar-se por comer 10 tacos numa sentada. “Quando chegava no oitavo, já me dava dor de barriga”.
As coisas mudaram. Agora Lutz come em pequenas quantidades a cada 2 ou 3 horas, e nunca pula o café-da-manhã; desta forma, sempre tem energia e não passa muita fome, para não comer além da conta nas refeições. Para manter o metabolismo alto por toda a noite, Lutz come um ovo cozido antes de deitar.
A recompensa é tanto mental quanto física. O exercício ajuda a canalizar suas energias. Pouco antes da entrevista, Lutz teve que trocar os pneus de seu carro, e estava bastante chateado. “Geralmente, sou uma pessoa negativa. Quando me acontece algo assim, vou pra academia e me desestresso correndo. Começo a correr, e faço o sangue fluir”.
Palavra de vampiro.


fonte | via