Nova entrevista de Kellan






Com 25 anos, Kellan Lutztornou-se um dos rostos mais reconhecidos no mundo. Desde seu papel comoEmmett Cullen na Saga Crepúsculo, até o trabalho dele como modelo para aCalvin Klein, é difícil não vê-lo. E os elogios continuam, incluindo o seu lugar na lista dos Homens Vivos mais Sexys deste ano, publicada pela People Magazine.
Hoje chega às lojas o DVD de “Eclipse”, e Kellan Lutz e seu companheiros de trabalho, em colaboração com o Eclipse Gum, estão realizando uma festa em Baton Rouge, Louisiana, onde atualmente estão filmando a última parte da franquia. Encontrei-me com Kellan para discutir como é estar terminando a franquia, em que mais está trabalhando e o como é ser considerado um dos homens vivos mais sexys.
Olá? 
Hey Fabio.


Hey Kellan, como vai? 
Perfeito, e você?


Muito bem. Então, creio que você esteja em Louisiana filmando a última parte da franquia, certo? 
Sim, acabo de chegar de volta aqui. Realmente tenho sido abençoado com esses filmes. Esta notícia é excelente, um filme de sete meses, mas é ótimo ter tempo para ir e voltar para Los Angeles e outros locais simplesmente por ter uma semana de folga aqui e ali. Assim, isso é ótimo. Estou de volta aqui, é quase a minha quarta viagem de volta. Adoro Baton Rouge, me sinto muito feliz de filmar aqui. Filmei aqui em maio, teve um filme que, você sabe, não foi tão agitado com os fãs porque nem todos os de Crepúsculo (os atores) estavam aqui, mas adoro esta cidade e tenho prazer em ser o guia turístico para o resto do elenco.


Qual foi o filme que você estava filmando em Baton Rouge antes de Crepúsculo?
Se chama "The Killing Game", um filme dirigido por Jonah Loop, um pesado filme de ação com Sam Jackson. Adorei, realmente gostei muito. Gosto de lutar por isso tive de fazer muitas artes marciais misturadas e treinamento com armas. É um filme muito emocionante.


Há quanto tempo você está fazendo MMA (Mixed Martial Arts – Artes Marciais Mistas)? 
Bem, não tenho estado realmente fazendo MMA. Enquanto crescia, meus amigos e eu tínhamos um clube de luta no nosso quintal. Mas, quanto ao treinamento, tenho estado boxeando desde anos atrás, e adoro fazer minhas próprias cenas de risco. Fiz muitos amigos que são muito bem treinados (dois) e são muito profissionais. Para "The Killing Game", fui ao set e não tive tempo para treinar. Começamos a filmar de imediato, de modo que nas horas das refeições ou quando tínhamos cinco minutos, trabalhava com essas crianças, experimentando novas armas e aprendendo novos movimentos. E assim é que vem, acontecendo até hoje. Quando volto para Los Angeles, é assim que eu gosto de treinar. Isso é o que quero fazer com o meu futuro: fazer filmes de ação. Então se eu posso treinar os filmes e não perder um mês para fazê-lo, será ótimo poder voltar e ter tempo para sair com os meus meninos.


Absolutamente. Então, no momento está trabalhando no último filme da Saga Crepúsculo, e tem trabalhado com essas pessoas durante bastante tempo. Você se sente um pouco triste de ver isso acabar?
Não, inteiramente. Definitivamente é especial fazer parte desta franquia. Realmente é diferente de, por exemplo, os filmes de "O Senhor dos Anéis", quando esteve na Nova Zelândia durante anos. Esses filmes são fáceis e não são irritantes. Trabalha por três ou quatro meses em cada filme e depois você vai para casa, e nesse período, temos semanas livres porque gravamos em blocos. Realmente não fazemos... Quero dizer, nenhum de nós está cansado um do outro, amamos a todos. Somos todos muito responsáveis e aproveitamos as oportunidades que nos são dadas para fazermos parte dessa franquia em diversas áreas, partes da indústria e na vida.
Dessa forma, realmente não tinha pensado nisso, na verdade não terminará até 2012 e meses depois disso, por ter de voar de um lado ao outro e fazer turismo. Mas não, não estou triste... Não é trabalho, sabe?


Dessa maneira, muda um pouco o cenário. Você apareceu na lista dos Homens Vivos mais Sexys da People. Como é para você receber esses... Prêmios, eu acho? 
(Risos) É muito lisonjeiro. Lembro-me, de ver revistas como esta e não assistia TV. Mas você sabe, Ryan Reynolds está nelas o tempo todo, e agora na capa, e é muito lisonjeador que a revista People fez-me fazer parte disso.


O que sua família acha?
Meu... Minha família (risos). Quero dizer, eu estava na atuação.
Sempre fui assim, "loucoKellan", repleto de energia e fazendo minhas próprias coisas uma vez que me meti na atuação, pois aumentei toda a atenção sobre elas. Porque gosto de criar minha própria atenção. Nada me faz voltar para Iowa, onde vivem meus avós, e tento vê-los tanto quanto posso. E eles adoram. Veem todos os meus filmes. Vivemos em uma cidade pequena, dessa forma todo mundo se conhece pelo seu primeiro nome, há uma rua e lhe dizem (para todos os seus amigos) que eu vou ir lá. Eles ficam assim: "Ah, só vai estar com os bons amigos dele", porque a última vez que estive lá, todo o povo veio e não parei de dar autógrafos. O que é ótimo, mas acho que você pode ficar longe disso quando vem visitar seus avós no meio do nada. Desta vez foi do tipo, "Ok, vamos fazer um churrasco gigante. Nós podemos fazer com que todo mundo venha e tire fotos”, porque ele só tinha um dia e meio para estar lá. Eu queria ir e passar um tempo na fazenda queria ver os meus primos e os outros, e não tinha tempo para estar fazendo isso de novo. E decidimos fazer o jantar e tinham vindo muitas pessoas, e me pararam em um posto de gasolina e, como todo mundo se conhece, seus amigos perguntaram: "O que você está fazendo?".
"Oh, este é meu neto, é de Los Angeles, de Hollywood. É um ator. Está na revista People!" Joguei tudo para cima e eu fiquei do tipo, "Wow! Tiraram-me de dentro do ônibus dessa forma!" (Risos). Mas são adoráveis, e colocam um sorriso em seus rostos... Se eu pudesse fazer isso e se eles pudessem seguir assim uns dois anos a mais, então, por todos os meios, quero continuar.


Você sente falta da normalidade? 
Nunca fui normal.


O que você quer dizer com isso? 
Quero dizer, tenho os pés no chão, mas, sou normal, mas também muito inquieto. Não posso sentar em frente de um computador. Não posso fazer coisas normais. Sempre estou fazendo algo; saindo, fazendo coisas que muitas pessoas não fazem e estou nele. Mas em minha vida normal, ainda sou Kellan. Sim, Crepúsculo foi um mundo de mudanças e realmente me ajudou na minha carreira, mas ainda continuo fazendo as mesmas coisas que sempre fiz. Ainda vou para o boliche com meus amigos e aos programas de luta, e até vou fazer snowboard, passear com meu cachorro, vou para excursões. Isso não mudou. Sim, os paparazzi se chateiam quando estou (risos) e não trazem roupas quentes. Mas não, eu não mudei.


Também vi que você esteve na estréia de um filme independente, "Meskada". Como é para você sair de uma grande produção como Crepúsculo para um filme independente menor?
Definitivamente há uma mudança e eu gosto. Realmente, prefiro a mudança. Tenho um grande equilíbrio entre os filmes independentes e os de estúdio. “Love, Wedding Marriage”, “The Killing Game”, “Meskada”, “A Warrior’s Heart”, os quais são todos independentes. Então, você tem todos os filmes da Saga Crepúsculo, que são maiores do que os demais. E eu também fiz "Inmortals" para a Relativity e esse vai ser grande, um filme épico de mitologia. Realmente é ótimo fazer filmes maiores quando há um monte de engrenagens na máquina, logo isso te leva muitos dias para gravá-los, e então você tem esses filmes independentes menores. Tem somente três semanas para gravá-los, então você fica realmente preso, tenho muito para falar e você tem que saber todas as suas linhas porque você não pode se dar ao luxo de fazer muitas tomadas. São diferentes. Você consegue interpretar diferentes personagens e há muitos roteiros independentes geniais, assim como filmes de estúdio.


Como foi trabalhar na campanha para Calvin Klein? Quero dizer, vivo em Los Angeles e me lembro de estar dirigindo ao entardecer e seu cartaz em lugares incontornáveis. Como foi para você estar em outro lado?
Novamente, tenho sido muito afortunado com tudo. Fui abençoado e ser parte dessa campanha foi uma experiência incrível. Lembro-me do primeiro dia em que dirigia, e meus olhos viram minha cara e meu pôster. Intimidei-me e me constrangi por um segundo porque eu estava ali com roupa íntima, mas rapidamente comecei a ficar muito orgulhoso, muito agradecido. Calvin Klein fez uma campanha muito provocativa, genial, com todos aqueles caras e creio que é muito bem feita para a empresa. Simplesmente ser parte disso, é de bom gosto. Adoro a roupa, dessa maneira é ótimo fazer parte de algo que você possa realmente levar e que você goste, e sou muito grato por ter sido capaz de fazer isso.


fonte