Scans e entrevista para a Scene Louisiana

Photobucket

imagebam.com


A revista Scene fez uma matéria enorme e super bacana com Kellan Lutz, e ele falou bastante sobre sua carreira, seus novos projetos, e as organizações humanitárias das quais ele participa. Kellan está cheio de trabalho recentemente, e as coisas só tendem a ficarem melhores. Então, leiam para saber mais do que está se passando na vida do rapaz:


Cerca de quarenta atores da geração dele apareceram em Generation Kill, a obra de guerra de David Simon que estreou na HBO em 2008. A aclamada mini-série abre com um tiroteio no Iraque, e a marinha fingindo se morta, uma coisa que Kellan Lutz não faria por muito tempo. “Foi definitivamente um projeto apaixonante para mim, porque meu irmão mais velho estava na corporação da Marinha,” ele me contou enquanto conversávamos no The Loft, em Baton Rouge. “Eu passei sete meses na África, mas cresci cinco anos. Trabalhar com Alex, James Ransone, Billy Lush… muitos desses ótimos caras, e nós construímos amizades para a vida.” Ainda que muitos do elenco talentoso da mini-série emergeriam eventualmente, Generation Kill arremessou as carreiras de Kellan Lutz e de seu colega de elenco Alexander Skarsgard. Depois de seu tour de sete meses de trabalho, Skarsgard conseguiu True Blood. Kellan conseguiu Crepúsculo.

 “Tudo o que nós fizemos foi malhar, comer refeições cheias de proteínas. Eu estava comendo dezesseis ovos por manhã. Isso foi o que me ajudou na transição para Crepúsculo: eu era um cara grande e é pelo que Emmett é conhecido,” Kellan se lembra. “Foi muito divertido trabalhar com Alex, e então eu consegui Crepúsculo e ele está fazendo True Blood. Eu tenho muito orgulho dele. Ele é um cara ótimo e eu fui abençoado por ter sido parte da equipe de Generation Kill.”

O sucesso de Crepúsculo arremessou seu elenco para a estratosfera, fazendo Kellan e companhia, nomes da primeira lista, da noite para o dia. Mas enquanto o personagem de Emmett deu à Kellan grande exposição, ele não foi identificado com o papel da mesma forma que Christopher Reeve, enquanto um talentoso ator, foi sempre o Superman. O resultado é um ótimo acordo de liberdade. “Tem sido um processo maravilhoso. Eu caí na atuação e encontrei uma paixão por isso, e é realmente como um hobby para mim. Eu tenho um ótimo agente, nós temos sido melhores amigos, e nós temos o mesmo sonho: não nos importarmos com dinheiro e não nos importarmos com a fama. Nós pdoemos ser de boa e calmos, e realmente planejar minha carreira.”


“Eu sou abençoado por estar fazendo os filmes de Crepúsculo, porque eu sei que consegui fazer vários filmes,” diz Kellan. “Então, vamos encontrar alguns independentes com papéis substanciais: vamos encontrar um drama, vamos encontrar uma comédia, vamos encontrar um thriller, vamos encontrar uma comédia romântica, uma história de amor. Eu conheço meus pontos fortes e as minhas fraquesas. Então, eu posso não pegar trabalhos que paguem super bem como o de interpretar o cara da fraternidade, o esportista, interpretar o garoto de estilo, porque é como as pessoas já me vêem. Eu preferiria fazer algo um pouco diferente. É muito difícil para mim ser visto tão vulnerável, ou alguém que poderia apanhar, então é difícil pegar esses papéis, mas eu estou aqui pra isso.”

O planejamento rendeu. Enquanto Kellan está atualmente em Baton Rouge filmando Amanhecer, o final de duas partes da Saga Crepúsculo, não é a primeira vez que ele filma na Louisiana. Há apenas alguns poucos meses, ele foi o protagonista em dois filmes nos quais ele não poderia ter estado mais diferente. Enquanto filmando o thriller de ação The Killing Game, em Baton Rouge, ele também estrelou a comédia romântica Love, Wedding, Marriage em New Orleans.

“Foi realmente um dos melhores momentos da minha carreira de atuação: fazer dois filmes ao mesmo tempo, filmar três dias aqui e dirigir para Nova Orleans com uma virada de seis horas, colocando um terno para fazer Love, Wedding, Marriage por dois dias. Então, dirigindo de volta, colocando os protéticos, ficando todo ensanguentado e lutando. Eu não tive nem um dia de folga em trinta e três dias,” ele disse. “E eu fui o protagonista nesses dois filmes. Eu adorei, porque eu não tinha tido essa oportunidade. Fazer esses dois projetos completamente diferentes foi muito desafiador e eu cresci neles. Eu nunca me senti tão enérgico. Muitas vezes eu só tive três horas de sono.”

“Kellan foi um encanto absoluto,” disse Lauren Thomas, do Illusion Studios, a artista de maquiagem responsável por criar as “feridas” dele em The Killing Game. “Mesmo que ele tivesse outro filme acontecendo ao mesmo tempo, ele sempre foi o primeiro a chegar e o último a sair. Ele foi simplesmente um cavalheiro durante todo o processo. Eu sabia que ele estava exausto, mas ele nunca mostrava isso.”

“The Killing Game é como se fosse The Running Man misturado com Gladiator,” continuou Kellan. “Sam Jackson interpreta esse Caesar da nova era e eu interpreto o gladiador jogado nesse estilo de Running Man, luta ndo no campo de batalha da morte.” Na comédia romântica Love, Wedding, Marriage, ele interpreta Charlie, um recém-casado, marido de Eva, uma psicologa de casamentos interpretada por Mandy Moore. Isso rendeu à Kellan a oportunidade de trabalhar com o ator Dermot Mulroney na sua estréia diretorial.

“Eu interpreto um marido recém-casado típico, normal, que quer ter seus primeiros seis meses do relacionamento como fase de lua-de-mel. Você é um recém-casado e você só quer estar com a sua esposa,” diz Kellan. “Foi um filme difícil para mim. Meu personagem era tão definido, que eu não tinha que ser muito ‘amplo’ sobre ele,” ele diz, indicando sua prórpia personalidade afável. “Ter um diretor como Dermot, com quem você pode simplesmente ir… ele provávelmente foi um dos meus diretores favoritos de se trabalhar. Ele era simplesmente tão legal e de boa.”

Além de Amanhecer, Love, Wedding, Marriage e The Killing Game, Kellan também tem Meskada, A Warrior’s Heart e Immortals, no qual ele interpreta o Deus Grego, Poseidon. E enquanto sua carreira está claramente mantendo-o ocupado, ele é muito cuidadoso à respeito de ter tempo para as causas com as quais ele se importa.

“Meu assistente, Richard e eu, acabamos de ir à Nova Orleans e trabalhamos com o projeto St. Bernard, que é uma organização incrível que ajuda a reconstruir comunidades e as casas destruídas pelas destruições de barragens. Nós temos que fazer algumas pinturas e trabalhos com madeiras. E há muito trauma emocional e psicológico que vem com a perda de uma casa, então eles tem um ótimo programa de ajuda,” diz Kellan. “Então é ótimo quando eu tenho tempo. E eu tenho sido abençoado por lançar esses projetos aqui em Louisiana, alguns em Nova Orleans e agora alguns em Baton Rouge, onde fica somente à uma hora de distância de carro.”

Seu trabalho na África em Generation Kill também aumentou sua consciencia sobre resolver os problemas de água limpa do mundo em desenvolvimento. “Eu comecei a trabalhar no Water.org, que foi iniciado por Matt Damon. Ele lida com trazer água limpa para a Africa, então eu estou mergulhando nessa também.” Como ele apontou, muitos atores se ligam à projetos humanitários por causa das oportunidades publicitárias. Está claro para mim que o interesse sincero de Kellan é real, decorrente de quanto ele estava crescendo com um jovem em uma grande família. Agora, aos vinte e cinco anos, Kellan lutz está jogando seu próprio jogo.

Photobucket


fonte