Kellan Lutz fala sobre sua carreira, seu sucesso entre os fãs gays e muito mais


O vampiro de Crepúsculo e divindade de Immortals explica como ele tem amenizado sua imagem de saradão, quando ele finalmente adquiriu gaydar, e porquê as meninas inseguras presumem que ele tem um namorado.
Por Brandon Voss

Meninas adolescentes podem passar horas sonhando com Kellan Lutz como o vampiro Emmett Cullen na saga Crepúsculo – a última parte, Amanhecer – Parte 1, estréia 18 de novembro – mas é a sua estimulante campanha de cuecas Calvin Klein e seu freqüentes photoshoots sem camisa que realmente fazem o sangue dos homens gays ferverem. Também interpretando o deus Poseidon em Immortals, que estará nos cinemas em 11 de novembro, o galã de 26 anos de idade fala sobre ser adorado.
The Advocate: Eu não sou Twihard, mas eu tenho sido seu fã desde ‘The Comeback’ da HBO, em 2005.
Kellan Lutz: Eu adoro isso! Brandon, você é fod*. Obrigado.
O que você tira dessa experiência?
Eu amei trabalhar em ‘The Comeback’, mas eu fingi aquela experiência toda. Eu era apenas um feliz e sortudo garoto que caiu de pára-quedas em atuar. Eu estava indo para a universidade Chapman em Orange County para engenharia química. Eu conheci essa caixa de supermercado no Ralph’s chamada Maria e, para encurtar a história, ela disse que eu deveria ser ator e abriu meus olhos para o mundo da atuação. Comecei a ter aulas de interpretação, audição, fazer trabalhos extra e eu me apaixonei por interpretar. Eu nem sequer notei Lisa Kudrow no local quando eu fiz a minha última chamada para o ‘The Comeback’, porque eu não assistia TV, mas eu estava fora de mim de tanta energia. Eu apenas agradecer a todos por me dar uma chance. Isso abriu tantas portas para mim.
Michael Patrick King, o co-criador da série, tomou os créditos por descobrir você. O que você aprendeu com ele?
Eu rapidamente aprendi que há muita insegurança e um monte de tubarões em Hollywood, mas vi que Michael Patrick King, que é um gênio, ainda tem a mesma paixão e zelo que ele teve desde o primeiro dia. É o que eu planejo para minha carreira. Eu amo atuar, mas eu sempre quero ver isso como um hobby e não um trabalho.
Você estrela como Poseidon em Immortals. Interpretar um deus tem subido para sua cabeça?
Nah. Eu tenho interpretado um vampiro pálido durante anos, por isso estou feliz por finalmente ter um bronzeado em um filme. Eu amo que o nosso diretor, Tarsem, veja os deuses como jovens. Se você fosse um deus, não seria melhor você estar em seu 20 e poucos ou 30 e poucos anos ao contrário de um velho grisalho, com uma barba abaixo de seus tornozelos?
Seus fãs gays vão apreciar essa visão sexy.
Oh, eles são os melhores. Eu os amo. Quando eu encontro fãs gays por aí, eles são ótimos para conversar – e eu sou ótimo em abraçar, porque eu sou do Centro-Oeste. Eles são tão cheios de energia e amorosos. Tenho orgulho de ter esses fãs e seu apoio significa muito para mim. Eu não quero apenas as meninas indo ver meus filmes, eu quero que os caras venham também.
No seu comercial de cueca Calvin Klein X, quando você olha para a câmera e desenhosamente diz coisas como: “Você pode olhar, mas não tocar”, isso parece como se estivesse falando diretamente e especificamente para os gays.
Estou tão feliz que você disse isso. Quando eles escolheram esse conceito, eu apoiei completamente. Esse comercial inteiro foi sobre falar com todos e capturar cada membro da platéia que poderíamos, então eu estou feliz que nós capturamos.
Você contou uma vez uma história na Ellen sobre um fã do sexo masculino que se aproximou de você em um spa enquanto você estava nu em uma banheira de água quente. Você não especificou, mas presumo que ele era gay.
Provavelmente, sim. É por isso que fiquei tão lisonjeado. Nós conversamos por cerca de 15 minutos, e isso me ligou de que ele provavelmente estava dando em cima de mim. De maneira alguma eu queria encorajá-lo, por isso era meio engraçado para mim em perceber que ele estava dando em cima de mim – e fazendo um trabalho muito bom.
Você estava ciente de admiradores gay quando saiu na capa da A&F Quarterly aos 18 anos?
Não, mas eu era realmente ignorante. Enquanto crescia, eu nunca sabia dizer quem era gay. Mesmo na escola, eu tinha amigos que eu não sabia que eram gays até anos mais tarde. Eu descobria no Facebook ou algo assim e era tipo, “Oh, isso explica muita coisa.” ou “Wow, não me admira que eles eram tão legais”. Lembro-me de ir para a casa de um amigo direto quando vim para L.A. Ele estava me mostrando a sua casa e eu perguntei: “Onde você dorme?” Ele disse tipo, “Aqui, nesta cama.” Ele tinha um amigo com quem dividia a casa, então eu disse tipo, “Onde é que o seu amigo dorme?” Ele disse: “Ele dorme aqui também.” Eu estava tipo, “Oh, ok.” Eu tinha dormido na mesma cama que meus irmãos, e já dormi na cama de amigos, por isso nem sequer passou pela minha cabeça que eles eram gays. Ele me ligou depois que eu saí de sua casa e disse: “Kellan, você lidou com isso tão bem. Eu não contei a muitas pessoas, por isso obrigado por ser uma pessoa tão boa.” De repente, tudo isso começou a clarear e tudo fez sentido: Alguns caras que eu achava que eram apenas amigos não são apenas amigos! Esse foi o dia em que meu gaydar finalmente funcionou. Nós ainda somos melhores amigos até hoje. Agora eu tenho alguns amigos muito próximos que são gays.
Eles te avisam quando as fotos de você trabalhando sem camisa são postadas em blogs gays?
Não, mas eles ficam tipo, “Ooh, seus braços estão muito bem, Kellan”, “Ooh, seu peito grande”, ou “Meu Deus, aqueles olhos.” Eles dão em cima de mim de uma forma amigável. De qualquer forma, eu adoro correr sem camisa na praia e é um lixo quando paparazzi estão lá. É tipo, “Putz, será que eu coloco minha camisa porque eu não quero estar sem camisa em outra revista?” Eu não quero ser conhecido como o cara que sempre tira a camisa.
Você se preocupa com sua aparência relegando o seu talento e não ser levado a sério?
Bem, com certeza. Acho que todos os atores têm que estar atento a isso. Mas no final, é um negócio. É ótimo ter a base para ir fazer filmes independentes ou uma comédia divertida, onde eu posso manter a minha camisa, mas às vezes o sexo vende. Se tirar a camisa pode elevar a audiência, então tudo bem, eu não me importo de fazer isso. Mas é difícil, porque eu não quero apenas ser o saradão.
E quanto aos seus ensaios fotográficos sem camisa? Parece que você tem tido mais controlado sobre esses.
É, eu tenho que ser consciente disso também. Eu fiz muitos ensaios fotográficos ultimamente para a imprensa que vem com Immortals e Amanhecer, e todo fotógrafo quer um pouco de tomadas sem camisa. Nós tivemos realmente que ser seletivos e não fazer isso para todas as revistas. Eu, na verdade, tenho tentado me manter mais de roupas.
Esse não seria um problema se você tivesse que ficar bem gordo para algum papel.
Hey, eu amaria isso. Seria tão divertido perder peso ou ganhar peso para interpretar um personagem que é tão fora de mim.
Há fotos de paparazzi onde você e seu colega de elenco de Crepúsculo Peter Facinelli estão de mãos dadas, o que mostrou um certo de senso de humor a respeito da sua imagem pública.
Oh, é engraçado. Peter é um ótimo cara para se admirar. Ele é como uma figura paterna para mim. Ele é jovem, mas ele tem estado nessa indústria por um longo tempo, então é ótimo ir até ele para um conselho. Do que chamam eu e o Peter? Pellan? Pellan para a vida!
Você não se importa com rumores de ser gay?
Eu não me pesquiso no Google, mas eu ouvi que as pessoas acham que eu sou gay. Eu ouvi tudo isso. Olha, eu não vou muito atrás das garotas. A maioria das namoradas que eu tive é que vieram atrás de mim. Então é muito divertido quando garotas se ofendem porque eu não dou em cima delas. Elas transformam as inseguranças delas em, “Oh, isso faz sentido, porque eu ouvi que você gosta de caras, e tem um namorado.” Eu fico tipo, “Sério? Essa é a sua tática para me fazer gostar de você?” Sempre vão haver rumores, mas eu sei quem eu sou.
O diretor Bill Condon trouxe sua maravilhosa sensibilidade gay a filmes como DreamgirlsKinsey e Gods and Monsters. Pegando a Saga Crepúsculo nos seus volumes finais, ele trouxe uma sensibilidade gay ou um significado gay para Amanhecer?
Oh, definitivamente. Quero dizer, há muito mais pele, primeiramente. É para um público mais maduro. Nosso público cresceu conosco, e nós crescemos muito com ele. Os fãs do colegial originais estão na faculdade agora, e eles querem ver mais pele. Bill tem Taylor Lautner sem camisa o tempo todo, então há alguns ótimas atrações. Bill fez um trabalho incrível, e foi muito divertido trabalhar com ele.
Teria feito mal a ele inserir um vampiro gay ou um lobisomem gay na história?
Nós temos tantos membros de elenco nesse filme, eu não ficaria surpreso se um dos personagens fosse gay e eu simplesmente não soubesse. Eu super apoiaria.
Você fez um vídeo para a campanha Love is Louder (O Amor Fala Mais Alto), a qual foi criada em reação a suicídios adolescentes ligados com bullying anti-gay. Depois de revelar que você cresceu se sentindo sozinho, você diz, “Jesus sempre esteve já. Jesus é amor e amor fala mais alto.” Como suas crenças religiosas afetam sua forma de olhar as pessoas gays?
Eu fui criado em uma família cristã, e eu sou cristão, mas o único mandamento que eu realmente vivo para é, “Ame ao próximo como a si mesmo.” Não importa quem a pessoa é ou do que ela gosta, simplesmente mostre amor a ela. Se eles estão felizes, esteja feliz por eles. Creia, tenha fé em algo, mas ninguém está certo ou errado. Simplesmente seja uma boa pessoa. Se nós fossemos simplesmente um mundo de amor, as coisas seriam muito mais fáceis.
Você apareceu como o homem-doce no vídeo With Love, da Hilary Dyff. Porque você recusou a chance de estrelar ao lado de Britney Spears no seu vídeo I Wanna Go?
Isso foi muito difícil. Eu amo a Britney, e eu amaria a oportunidade, mas houveram algumas coisas estranhas a respeito do papel que não faziam sentido — tipo a cena do leite derramado? Esperançosamente eu vou trabalhar com a Britney em outra coisa. De volta ao vídeo da Hilary Duff, houve uma dessas coisas onde eu fiquei tipo, “Isso não sou eu. Eu não sou esse cara lindo que vai fazer isso.” É engraçado, porque quando eu não acho que eu sou certo para algo, eu acabo fazendo. Me desconcertou que eu até tenha recebido um retorno por aquilo.
Como é possível que você não seja parte de Magic Mike, o próximo filme de Steven Soderbergh, sobre stripers homens? Você deve estar querendo ligar para o seu agente.
Eu, na verdade, liguei para falar sobre isso. Eles pegaram Alex Perryfer para o papel para o qual eu seria certo, e não havia realmente outro papel para mim nele. Mas é um elenco ótimo, e eu acho que vai ser bem recebido. A história de Channing Tatum é incrível, e é muito corajoso da parte dele contá-la.
Você mencionou seus colegas de quarto em várias entrevistas, e uma vez você contou ao Jimmy Kimmel uma anedora sobre um anúncio mal escrito para a Craiglist, procurando novos colegas de quarto, que acidentalmente atraiu um monte de caras gays. Uma casa cheia de colegas gays seria realmente uma coisa ruim?
Honestamente, eu preferiria morar com caras gays. Eles são os mais limpos, e simplesmente tomam conta das coisas. Porque eu estou sempre longe, voltar para uma casa limpa significa muito para mim. Acredite, eu vivi com muitos colegas de quarto, e caras héteros são simplesmente crianças que não limpam as coisas.

Créditos