Produtores de '300' apostam agora em 'Imortais'


Imortais, o ultraestilizado filme épico dos produtores de 300, leva o estilo barroco a uma Antiguidade grega muito afastada da tradição histórica, onde o futuro da humanidade e os deuses do Olimpo repousam nos ombros de Teseu e de alguns mortais.





Os produtores Mark Canton e Gianni Nunnari, entusiasmados com o grande sucesso da adaptação da graphic novel de Frank Miller 300 em 2006, que arrecadou mais de US$ 450 milhões em todo o mundo, voltam a ambientar um filme na antiguidade grega, desta vez sob a direção do indiano Tarsem Singh.
A estreia do longa, que custou US$ 75 milhões, acontecerá na próxima sexta-feira (11) nos Estados Unidos e em dezembro no Brasil. O filme narra as aventuras de Teseu (interpretado por Henry Cavill), um jovem talhador que inicia uma revolta contra o violento rei Hiperión (Mickey Rourke) para vingar a morte de sua mãe, sob os olhares dos deuses gregos do Olimpo, que trocaram as barbas por traços mais joves e têm os rostos de Luke Evans e Kellan Lutz.
"O que mais me interessava no filme era ver como os deuses interferem no mundo humano", disse Tarsem Singh à AFP.
As origens gregas, romanas ou de outros lugares não importava muito para o cineasta, formado em publicidade e conhecido pelo filme de 2000 A Cela. "Se dependesse de mim mudaria os nomes, porque não me interessa que tenham nomes gregos", completou.
O diretor afirma que tinha como objetivo dar coerência à mescla de fantasia e antiguidade, com referências mais pictóricas que históricas. "Sempre fui acusado de preferir a forma ao conteúdo", admitiu o cineasta, que disse ter se inspirado nas pinturas de Caravaggio para estabelecer a paleta de cores e definir os cenários, essencialmente digitais.
De fato, apesar da história simplificada, a ambição estética do filme, exibido em 3D, é inegável. Singh confessou que sus decisões chegaram a surpreender a própria equipe. Ao dar um tom oriental ao retrato de Fedra, foi questionado pensava em um "bar de sushi no deserto", recordou.
E quando situou os deuses cobertos de ouro em um Olimpo reduzido a uma plataforma situada diante de um monitor verde, antes do processamento digital que daria a imponente visão de uma paisagem, afirmaram que era muito "kitsch". "As pessoas vão rir, vão odiar os deuses", afirmaram.
Singh estava convencido de suas escolhas, incluindo a original e corajosa estilista japonesa Eiko Ishioka, responsável pelo figurino. Em alguns momentos, o resultado é espetacular, com destaque para o "quadro" da luta nos céus, que recorda os afrescos de Michelangelo na Capela Sistina.
"A princípio havia imaginado muito mais violenta, e com todos os personagens nus, mas tive o mesmo problema que Michelangelo com o Papa. Me disseram: 'tape o sexo. Vista-os!'".
Apesar das concessões, o cineasta se declarou satisfeito. "Era muito caro de fazer, especialmente para uma cena de poucos segundos, mas valeu a pena porque acredito que é memorável", afirmou o diretor.